28390 Kalium/Potassium-Test Professional

K+ Pro - Teste de Potássio Profissional para aquários de água salgada

Intervalo de medição & Precisão da medição

Intervalo de medição: 300 - 500 mg/l

Precisão da medição: 5 mg/l

Acerca do potássio

O potássio é um macronutriente vital para todos os seres vivos. Na água do mar natural, o metal alcalino encontra-se a uma concentração média de 408 mg/l. Num aquário de água do mar, é possível, na maioria das vezes, manter a concentração de potássio estável através de mudanças regulares da água. No entanto, poderá ocorrer uma falta de potássio em aquários individuais devido à utilização de zeólitos e outros adsorventes. Uma indicação de uma possível falta de potássio é a descoloração nítida dos corais e a recolha dos pólipos. Num aquário de água do mar, deve-se verificar regularmente o teor de potássio e mante-lo entre 380 e 420 mg/l.

Conteúdo da embalagem

  • 12 ml de reagente “Standard”
  • 25 ml de reagente A
  • 25 ml de reagente B
  • 5 ml de reagente C
  • 30 ml de reagente D
  • 2 tinas de vidro 10 ml
  • 3 seringas de doseamento 1 ml com tampas
  • 1 instruções de utilização
Content K+ Test Professional

Instruções de utilização

Nota sobre o teste de potássio:

A precisão dos resultados pode ser aumentada através da determinação de um valor de correção. Para tal, deve-se efetuar uma medição com o reagente “Standard” (potássio). Desta medição resulta um valor de correção, que deve ser tido em conta em todas as medições de potássio. Recomendamos a determinação renovada do valor de correção a cada 3-4 semanas.

Instruções de utilização:

Nota: Para evitar contaminações cruzadas, as seringas graduadas com tampas devem ser sempre usadas com os mesmos reagentes! Para além disso, após cada série de medições, DEVE-SE efetuar imediatamente uma limpeza das tinas, seringas e tampas utilizados! Para a cultura, mergulhar as seringas no líquido. A leitura das seringas graduadas realiza-se sempre no êmbolo, mesmo quando existe ar entre o êmbolo e o líquido (condicionado pelo volume morto do tampa da seringa). A bolha de ar não influencia o resultado do teste.

1. Determinação do valor de correção:

  1. Se tiver determinado o valor de correção há pouco tempo, passar para o ponto 2 “Determinação do potássio“.
  2. Agitar todos os frascos de reagente antes da utilização!
  3. Encaixar um tampa limpo na seringa graduada de 1 ml tão seca quanto possível com impressão verde e encher com 1 ml de “Standard”. Introduzir a quantidade total numa das duas tinas.
  4. Realizar agora a medição de potássio como no ponto 2.3 ao ponto 2.8.
  5. É agora possível determinar, através da tabela, o valor de correção. Para o efeito, retira-se da tabela a concentração de potássio da quantidade residual de reagente D. Subtrair-se este valor (concentração de potássio medida) ao valor standard de 400 mg/l (concentração standard de potássio). Obtém-se assim o valor de correção, que será utilizado nos valores de medição determinados depois.
    Exemplo:
    Quantidade residual de reagente D1: 0,48 ml
    Concentração de potássio K1: 420 mg/l
    Cálculo: 400 mg/l - 420 mg/l = - 20 mg/l
    Resultado: Nas medições de potássio futuras deduza um valor de correção de 20 mg/l. Se determinar um valor positivo, adicione-o nas medições de potássio futuras.
  6. Limpar exaustivamente a tina de vidro, seringas e tampas utilizados o mais tardar após a execução das medições de potássio.

2. Determinação de potássio:

  1. Agitar todos os frascos de reagente antes da utilização!
  2. Encaixar um tampa limpo na seringa graduada de 1 ml com impressão verde, lavar a seringa várias vezes com a amostra de água a pesquisar (água de aquário) e, em seguida, encher com 1 ml desta água. Introduzir a quantidade total na segunda tina limpa.
  3. Encaixar um tampa limpo na seringa graduada de 1 ml com impressão vermelha e encher com reagente A até à marcação 20 da seringa (corresponde 0,5 ml). Adicionar a quantidade total à amostra de água. A execução precisa deste passo é determinante para a precisão do resultado final!
  4. Oscilar a tina com a amostra de água durante 10 s para misturar bem o reagente e depois esperar 5 minutos. Forma-se uma turvação branca.
  5. Adicionar 9 gotas de reagente B, oscilar durante 10 s e depois não mexer na tina durante 2 minutos.
  6. De seguida, adicionar 3 gotas de reagente C do frasco conta-gotas, a amostra de água torna-se amarela.
  7. Encaixar um outro tampa limpo na terceira seringa graduada de 1 ml com impressão preta e encher com 1 ml de reagente D. Cada vez adicionar à amostra de água três gotas de reagente D (ATENÇÃO: Nunca se deve introduzir uma quantidade superior de reagente D de uma só vez na tina) e misturar bem o reagente oscilando com cuidado. Tal é importante para se obter mais tarde um ponto de mudança claro. Repita este processo até a cor amarela desaparecer e mudar para um rosa claro.
  8. Depois disso, continuar cuidadosamente com a titulação. Após cada gota de reagente D deve-se oscilar a tina, até surgir um tom rosa forte após aprox. 1 - 3 gotas. Ler a quantidade residual de reagente D na seringa.
    Nota: Se não tiver a certeza de que o ponto final da titulação foi alcançado, adicionar uma gota de reagente D. Se NÃO ocorrer uma intensificação da cor, é porque o ponto final da titulação já tinha sido alcançado. Adicionar então a última gota (0,01 ml) à quantidade residual.

    Se determinar neste ponto o valor de correção com o “Standard”, prossiga com o ponto 1.5. Para a própria determinação de potássio da sua amostra de água, continue a medição com o ponto 2.9.
  9. Na tabela é agora possível, através da quantidade residual de reagente D, ler a concentração de potássio correspondente. A partir deste valor, desde que anteriormente determinado, é deduzido (valor negativo) ou adicionado (valor positivo) o valor de correção determinado no ponto 1.5.
    Exemplo:
    Quantidade residual de reagente D2: 0,40 ml
    Concentração de potássio K2: 400 mg/l
    Valor de correção determinado: - 20 mg/l
    Cálculo: 400 mg/l - 20 mg/l = 380 mg/l
    Resultado: A concentração de potássio da amostra de água testada, tendo em conta o valor de correção, é de 380 mg/l.
  10. Caso se pretenda efetuar imediatamente medições adicionais, deve-se limpar brevemente com água de osmose inversa a(s) tina(s), assim como as seringas com impressão verde. Concluída a série de medições, deve-se limpar exaustivamente em especial as tinas de vidro de acordo com o ponto 3, para que as precipitações não se depositem fortemente.

3. Limpeza das tinas de vidro e das seringas:

Concluída uma série de medições, recomenda-se uma limpeza das tinas de vidro, seringas e tampas utilizados.

  • Lavar muito bem com água de osmose inversa as seringas e os respetivos tampas e secar.
  • Lavar muito bem a tina de vidro com água da torneira. Limpar a tina o mais exaustivamente possível com papel de cozinha, lavar com água de osmose inversa e deixar secar. Poderá permanecer uma ligeira precipitação. Para a remover, recomendamos a utilização de uma escova adequada, por ex. a escova de tinas Tropic Marin® (disponível em separado), ou a adição de vinagre ou de detergente à base de vinagre. Deixar a solução de vinagre atuar durante 12 - 24 horas e de seguida lavar a tina com água de osmose inversa e deixar secar.

 

Durabilidade e armazenamento:

6 meses depois de aberto. Armazenar em local fresco e escuro.

 

Tabela I:

Concentracao de potássio
Quantidade restante D [ml] na seringa
Concentracao de potássio K+ em mg/l / ppm

 

Tabelle Kalium/Potassium-Konzentration

Medidas a tomar em caso de valores desfavoráveis

Para aumentar a concentração de potássio em caso de valores demasiado baixos, recomendamos usar Tropic Marin® Potassium, para adaptar o teor de potássio de volta para o nível natural e para dar um ímpeto de vitalidade a diferentes corais.

Em caso de uma concentração de potássio demasiado alta, recomendamos a execução de uma mudança parcial da água.

Outros kits de teste Tropic Marin

 

Para proteger o ambiente os reagentes para o Teste de Potássio Profissional também estão disponíveis numa embalagem de recarga mais económica!